terça-feira, 5 de fevereiro de 2008

Histórias


Há histórias que ficam vagando pela mente por muito tempo. E você reflete sobre as frases, os diálogos, as descrições. Seu espírito fica agitado, chorando durante dias. Rubem Alves, meu mentor (faço várias citações dele), diz que belo é tudo aquilo que faz amor com a alma da gente. Essas histórias são assim: fazem amor com nossa alma.

Para quem não leu “O meu pé de laranja lima”, aconselho ler não só uma, mas três ou quatro vezes essa obra. Zezé, o personagem principal, é desses que nos dão lições – criança ensinando adulto. Logo nos primeiros capítulos, a professora de Zezé lhe presenteia com um sonho (doce de farinha de trigo) porque sabe que o garoto não tem dinheiro para trazer um lanche. Zezé diz que sempre divide o sonho dado pela professora com uma coleguinha, tão ou mais pobre do que ele. A cena é linda, os diálogos são carregados de emoção, ternura e bondade. Cabe aqui uma reflexão: sonhos devem ser divididos.

Outra história que me comove é a de Hassan e Amir em “O caçador de pipas”. A presença de uma fidelidade impecável que vence até mesmo a humilhação de ser violentado sexualmente me causa tremor. Como pode existir tamanho amor? Hoje não se perdoa qualquer resquício de desonra. Hassan despiu-se de sua dignidade e amou. Quem não se emocionou com a frase: "por você faria isso mil vezes"?

José, o filho predileto de Jacó, foi vendido pelos irmãos. Viveu anos na prisão por ter sido acusado injustamente de assediar a esposa do Faraó. Numa dessas reviravoltas da vida, José é proclamado governador e vê seus irmão de volta, agora pedindo socorro porque passavam fome. José poderia dispensá-los, matá-los ou ter qualquer atitude agressiva. José chorou. Seu amor foi maior que a maldade dos irmãos.

Fico vendo esse mundo bagunçado e tanta gente amando pouco ou nada. Depois leio histórias como essas. Volta-me a acender aquele fio de esperança. Não, não me iludo nem vivo fantasiando demais. Sou insistente e ainda tenho fé no ser – no ser humano.

7 comentários:

a clara menina Clara disse...

Pensei um pouco sobre "dividir sonhos" e vasculhei por um segundo a minha vida e descobri que divido os meus sonhos e o maior deles. Divido com as pessoas que estão do meu lado, com quem pretendo passar a vida do lado. Nossa, isso é bom demais!
E li o Caçador de Pipas,até achei uma história bonita, mas não a fidelidade cega de Hassan, mas as últimas linhas que Amir contenta-se com o sorriso do filho de Hassan. A idéia de que um sorriso pode escancarar as portas pra felicidade.
O mais incrível é que a gente pode ficar aqui falando sobre livros, histórias e o quanto elas refletem na vida da gente, o quanto você muda após ler um livro. Dizem que a vida é feita da quantidade de livros que se leu, eu acredito nisso.

Nathalia Alves Vanderlei disse...

Excelente sua explanação através desses exemplos: Hassan, Zezé, José.. E tantos outros que nos trazem lições para nossa vida, como O pequeno Principe, rs.

Eu tbm ainda tenho "fé no ser - no ser humano."
Que possamos então agir, de acordo com esse ideal, e que mais pessoas sejam contagiadas por ele.

Voltarei aqui mais vezes, de certeza.
;*

Juliana Caribé disse...

Essa fé no ser humano acho que estou perdendo. Ou a esperança de encontrar pessoas que realmente se importem com meus sentimentos. Não aguento mais confiar e me entregar e descobrir, depois, que a pessoa não é aquilo que ela me mostrou.
Essa fé já quase não me habita.
(ou talvez hoje eu esteja triste demais...)

Beijo, Filipe.

Hélder, o míope disse...

Eu também, mesmo com meus momentos de pessimismo, ainda acredito que nós somos mais.

"Meu pé de laranja lima" é um dos melhores livros que eu já li.

Bom texto, boa verdade pra ainda se ter fé.

abç.

Ana disse...

..."Sou insistente e ainda tenho fé no ser – no ser humano."

É por isso que escreve, Filipe, porque acredita no amor.

Lindos exemplos os seus.

Adorei passar por aqui nessa manhã de cinzas.

Beijo,

Ana

Bárbara Matias disse...

Esperançoso...

Adoro repensar as histórias que ouvi algum dia, que li, que acreditei...que vi!
E o mais maravilhoso é ver q podemos fazer ser real nas nossas vidas mto dessas histórias...

Mto bom...
Bjos...

Mr. Ziggy disse...

Lipão, creio eu que a fé no ser humano é um caminho perigoso, que nos pode levar para o caminho da decepção, da frustração, já que o ser humano é falho. Muito falho; cada dia mais, infelizmente. Não excluo a possibilidade de que as pessoas possam nos surpreender de forma positiva, mas a palavra diz que o fim dos tempos seria difícil, a tendência é só piorar, já que até o amor de muitos dos cristãos, que conhecem a Jesus, se esfriaria. Não acho minhas palavras pessimistas não. Apenas acho que o único digno da minha fé é Deus, porque este sim pode transformar todas as coisas, inclusive o homem. Você é bom, por isso tende a esperar o melhor do ser humano(entendo eu o ato de ainda ter fé no ser humano como um ato de esperança). Tome muito cuidado! Abração.