domingo, 17 de agosto de 2008

Café Expresso


Não me pergunte por que vejo seu sorriso em cada canto. Não entendo seu jeito de me mimar com os olhos, embora goste dessa sua mágica. É que você aparece, de repente, trazendo pro meu peito milhares de astros empoeirados, milhares de versos desfeitos, inacabados. Você é tal qual uma poesia que emendo dia após dia. Eu escrevo você.


Já tomei três xícaras de café. A cafeína me vicia. Ando nervoso. Você me traz irritação com esse seu jeito de menina displicente que não tem hora pra nada, não se importa em me fazer esperar. Mas é tão bom ouvir seus passos chegarem de mansinho. E ver seu sorriso se abrir devagarinho como uma melodia que vai brotando, assim, sem querer. Tão bom olhar seus olhos tímidos e fazê-los desviar, fazê-los se esconder debaixo da sua aurora e dos seus beijos implícitos. É que você me beija com os olhos.


O que diz o restinho de café no fundo da xícara? É possível ler o futuro nessas gotas aglomeradas? Será que você vem, cheia de flores, trazida pelo vento, com os cabelos desarrumados e o passo desajeitado? Não me encanta mais seus pecados. Sei todos de cor. Encanto é descobrir sua pureza ao despir seu mundo e sua poesia inenarrável.


- Cheguei atrasada? – você, às minhas costas.


- Não. – respondo já inebriado por suas formas.


- Mentiroso. Tomou três xícaras de café. Me desculpa? – seu dom é este: fala como quem se arrepende de um ato escabroso.


- Eu li nosso futuro aqui na xícara. – eu conto, mas você não acredita.


- É? E o que diz aí? – seu ceticismo é insistente.


- Diz que você vai se lembrar de mim enquanto durar nossa valsa.


E você ri. Ri desconcertada. Você também tem outra vantagem. Escuta qualquer bobagem como se ouvisse a mais pura sonata.


- Não é bem aí na xícara que isso tá escrito, seu bobo. – é seu comentário. Pertinente, por sinal.


- É, eu sei.


Você abraça minha mão.


É o seu jeito de me convidar pra mais uma dança.


26 comentários:

Daniele V. disse...

Adorei isso: "Beijar com os olhos" também ó consigo amar dessa forma.

Míope disse...

Forte pelo atraso,
Doce pelos diálogos,
Quente pelos sentimentos.

Como o café.

Bom texto.
Abç.

caicko disse...

"Vem dançar comigo, vai. É uma dança nossa, meio valsa e meio bossa. Não entre na foça, criança... vem brincar de ser feliz". Adorei o texto, Filipe. Parabéns, cara. Abração e uma ótima semana.

ALBERGUE MENTAL
http://caioalbergue.blogspot.com

Rafael disse...

muito bom, felipe.
teve uma sincronicidade aqui com meus sentimentos...
seus textos me realizam, de alguma forma.

Indh disse...

Toda vez que venho aqui perco o fôlego e vejo um filme.
Bonito por demais tudo o que escreves.

Nana Jiló disse...

muito bom. muito sincero. falta sinceridade hoje em dia, mesmo na poesia...
me fez sorrir. obrigada por isso, então, porque há dias que são simplesmente miseráveis...

disse...

aiiiiiiiiii que lindooooo!!!
Ameii muito lindo e romantico! =)

beijãoo

Camilla disse...

Eu vejo meu futuro numa xícara de café: "uma baita dor de cabeça". Caféina me mata.

Mas, vamos ao conto, que, mais uma vez está MA-RA-VI-LHO-SO. Você é meu contista preferido Filipe. Sou sua fã ´nº 1.

Bjos

Flá. disse...

Filipe!
Quantos posts seus não lidos por mim. Desculpa a ausência, na verdade eu que mais perco com isso. :)

Amei o post, como sempre!

Grande abraço! ;*

NANDO DAMÁZIO disse...

Que casalzinho fofo, Filipe, haha...

Eu também sou movido à cafeína.
Como sempre, adorei o conto, gosto muito deste seu jogo de diálogos.

Abraço!

Polly disse...

Tem muita música, tem dança em cada palavra, um bailado doce, a gente é convidado a dançar...
Você dispensa comentários, viu?! Tão leve!
Obrigada pelas belas palavras lá no Timbres, me deixou tão feliz, tão boba! =)
Beijão!

Ká. disse...

Olá Sr. Filipe!

Grata pelo seu comentário lá no meu canto viu...
Com certeza te faremos um convite em breve!
Quanto ao teu texto, eu adoto café, ele sempre me inspira palavras, sabia?

PS: Tem um presente para vc no meu blog, no fim da postagem.

Abraço!

Ká. disse...

Olá Sr. Filipe!

Grata pelo seu comentário lá no meu canto viu...
Com certeza te faremos um convite em breve!
Quanto ao teu texto, eu adoto café, ele sempre me inspira palavras, sabia?

PS: Tem um presente para vc no meu blog, no fim da postagem.

Abraço!

Tiago Júlio disse...

É, Filipe, pego emprestadas as tuas palavras mais uma vez.

Ando meio desleixado também; despreparado, eu acho.

Bom, primeiro tenho que te agradecer mais uma vez pelos elogios. Sei que são sinceros, e é por isso que aceito de bom grado. Escrever é um vício incurável, é parte de mim agora. Fico contente de verdade ao ver que isso agrada alguém, ainda mais alguém como tu que faz a mesma coisa tão bem.

Tá, agora teu texto:
Tens uma habilidade muito rara, já percebi isso: tu consegues estender a mão para o leitor e guiá-lo pela cena para que ele seja espectador presente da ação. Acho que é por isso que as palavras ficam tão leves. Dá para imaginar nitidamente o que acontece.
Ah! O texto anterior ficou ótimo também. Adivinhei era a garota no momento em que ela sentou-se. Infelizmente, já passei por coisas parecidas. (:

De novo, muito bom. Parabéns.

Junkie careta disse...

Garoto, acho que a tal da paixão decantada e pisada pelos poetas, te pegou...
Prevejo muitas letras cheias de histórias saindo daqui desse espaço. Tô vendo daqui da minha borra de café...
Seu talento continua intacto.

Quando tiver um tempinho, passe lá no Spleen rosa chumbo. Tô rasgando o meu coração pros amigos verem, só pra exorcizar.

Grande abraço

ALF disse...

É de uma leveza, de uma sensação de paz, de um amor sensível jamais sentido. Texto incrivelmente lindo. Escrito com as plumas da doçura, com o calor do afeto, e com as asas do coração.

Perfeito texto.
Emocionado aqui, deixo-te milhões de sorrisos. Porque sei que vai gostar.

Um abraço forte, meu amigo, sensível.
hehe

Abração
se cuida

Glau Ribeiro disse...

Oi Filipe,
Obrigada pela visita.

Não poderia ser diferente. Ela já virou minha poetisa predileta também. rs! Cada palavra que ela junta, vira sentimento compartilhado. Como ela mesma me disse "é tão bom isso de afinidade".

Só tenho a agradecer pelos textos e pelos momentos de recordação que me proporcionaram.

Quanto ao seu texto, tão encantador e envolvente quanto os dela. Tão gostoso e leve de ler que da vontade de dançar quando se termina de ler. Me fez bem.

Se cuida.

Volte sempre.

Bjs

Camila disse...

Tinha perdido seu blog em meus Caminhos, mas que bom q achei!
Texto maravilhosamente bem escrito.
BeijoooOO

caicko disse...

Muito obrigado, Filipe.

Também estou encantado

com a sua maneira de

escrever: rápida, ágil e

gostosa de ler. Parabéns.

Vou vir sempre aqui.

Ótima semana!!!

Mary West disse...

Seu futuro como escritor com certeza será recheado de fãs femininas. ;)

Luifel disse...

Mulek,

Fico impressionado de ler como tu escreve é realmente surreal!

Fiquei imaginando a cena, é mto legal isso, no fundo, uma mulher sabe como conquistar um homem, isso sabe!

Abção!

Bárbara Matias disse...

Adorei o dialogo: leve, divertido de certa forma, e encantador, como sempre.

Tenho q te contar duas coisas....
vou t mandar email!!!hehehe..

bjos.

Graziele Alencar disse...

A paixão faz essas coisas...
Lembrei-me de uma música assim "você me tirou pra dançar, sem nunca sair do lugar, sem botar os pés no chão, sem música pra acompanhar. Foi só por um segundo, todo o tempo do mundo, e o mundo todo se perdeu, ficou só você e eu".
Beijos.

Andréia disse...

lendo isso eu só vejo o quanto eu NÃO sou romância e extemamente sem graça..hehehe

+ eu amei e achei lindo. lindo. lindo. Parabens! vc toca o coração até de quem n entende de romantismo

bjuxx

Jaya disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bárbara M.P. disse...

Mais uma dança...