domingo, 8 de junho de 2008

Historinha de amor


Eles eram namorados e se amavam. Se amavam no estilo “Romeu e Julieta”, embora criassem o próprio romance à maneira dos dois. Se enterneciam um no colo do outro e brincavam de fazer poesia com as nuvens ou de criar histórias com os pingos da chuva. Eram devotos e fiéis. Se amavam de forma condenada e carregavam um ao outro no peito. Viviam uma mágica que lhes balançava o mundo. E sorriam. Sem quê nem pra quê.

Um dia, estavam deitados sob o céu escuro, alimentando a alma de astros que colhiam juntos no céu.

“Eu faria qualquer coisa por você.”, disse ele corajoso.

“Me daria uma estrela?”, ela sugeriu se aninhando nos braços dele.

“A mais brilhante!”, ele respondeu de um jeito meio heróico.

Ela riu da brincadeira e dormiu ali mesmo, ao lado dele. Sonhou que comia brigadeiro no espaço enquanto ele pegava estrelas com uma rede de borboletas e guardava dentro de um saco gigante. Acordou ao relento e ficou espantada assim que viu um monte de gente aglomerada em volta de algo parecido com um foguete. Curiosa, aproximou-se e viu-o ali dentro, sorrindo pra ela. Ele buscaria a estrela mais brilhante. Ficou louca e pôs-se a chorar.

O foguete partiu. As pessoas acompanharam a subida até perderem de vista o apanhador de estrelas. Ela só sabia chorar e pedir a Deus que o trouxesse de volta.

Amanheceu. Todos foram embora. Ela permaneceu ali aos prantos. Não queria estrela coisa nenhuma. Só queria ele por perto. Dois dias se passaram e ela sem notícia. Já começava a viver o luto e a acreditar na idéia da mãe de que ele não voltaria mais.

No terceiro dia, o foguete pousou no mesmo lugar. Ela colocou um vestido bonito e pregou um sorriso eterno na face. Foi a primeira a abraçá-lo quando ele saiu do foguete infestado de poeira cósmica. Seu apanhador de estrelas.

“Não consegui!”, ele chorou. “Não lhe trouxe a estrela.”

Ela só sabia abraçá-lo até quase sufocá-lo.

“Eu não quero aquela estrela do alto.”, confessou ela.

“Não?!”, ele perguntou um tanto decepcionado.

“Não.”, e ela balançava a cabeça. “Quero essa estrela que você carrega nos olhos. Essa eu quero até quando o sino der meio-dia.”

“Essa você já tem. E sabe de uma coisa? Ontem eu pisquei para você lá de cima.”

“Seu bobo! Pensa que eu não vi?”

“Achei que não veria.”

“Vem cá, vem!”, ela chamou, faceira. “Me dá mais do seu abraço!”

E naquele momento, o mundo se balançou. Nascia estrelas nos olhos de cada um daqueles que viam a cena e até dos que não viam. E junto das estrelas, nascia a esperança.

20 comentários:

.Intense. disse...

Que vontade de chorar. Eu quero alguém que queira piscar pra mim. Sempre é tempo, mas não é hora.

=/

;*

Jaya disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luifel disse...

Kra,

Eu sou o kra mais trouxa pra ler, assitir ou ouvir histórias romanticas.

Eu acho sensacional isso,é serio!

Quem dera eu tivesse um amor assim agora...

Abç brow! Rrá!

Alberto Vieira disse...

É bom estar em nebulosas.
As nebulosas são nuvens de poeira, hidrogênio e plasma. São constantemente regiões de formação estelar.

abraços

Texto belíssimo

Ana;) disse...

Tão romantico, tão real que eu podia escutar e ver o brilho das estrelas no olhar deles...
lindo;)
bjuxxx

Tiago Torigoe disse...

Nossa q lindo *-*

nao vo dizer que nao ficou meloso e até "infantil". mas são essas coisas que realmente mechem com a gente Oo

mto bom o texto. Eu fiz minha primeira cronica no meu blog tambem \o/

continua assim cara, vai longe :P

Proibida disse...

Tão lindo! Uma vez eu sugeri que escrevesse com estrelas algo que alguém tinha pra me dizer e ainda falei que se quisesse, eu iria até lá buscar um monte delas. ;)

A sua estória foi melhor! Mas a minha foi história. rs

Beijo

sonhos disse...

Desculpe a invasão a este seu cantinho.

E junto das estrelas, nascia a esperança, é verdade temos que ter sempre esperança.

Bjs

Leila Saads disse...

Nossa, que texto lindo! Concordo com o primeiro comentário, vontade de chorar de tão lindo, tão delicado. Muito criativo também! Amei, daqueles que a gente gostaria de ter escrito!

Parabéns, Filipe! E desculpe a demora para responder... O final do semestre não perdoa ninguém! =]

Beijos!

Leila Saads disse...

Ahh, tenho que dizer que adorei o novo visual do blog! Ficou ótimo com essa espiral!

=*

Camila disse...

Nossa... sinceramente, esse é dos textos mais lindos que já li.
Ainda mais que ando um tanto quanto melancolica devido a proximidade do dias dos namorados!
Felipe, parabéns pelo seu blog, muito estiloso e bonito.
Beijo
=)

Dori disse...

Isso sim é amor incondicional!
Lindo!

Beijos.

Nathália disse...

"Sonhou que comia brigadeiro no espaço enquanto ele pegava estrelas com uma rede de borboletas e guardava dentro de um saco gigante."
Parece com os sonhos que tenho quase sempre.

Um dos textos de amor mais envolventes que eu já li.
E é sério.

Beijo!

Srta Diazepan disse...

simples e lindo... como deve ser o amor.

beijos

Nathalia Alves Vanderlei disse...

Eu consegui até ver o brilho das estrelas que havia no olhar dele.

;D

- BiAaaAah* disse...

Simplesmente lindo!
Parabééns!

Flávia disse...

eu quero estrelas... mas as minhas parecem que andam se apagando... se apagando...

A gente precisa entender que até as estrelas precisam se olhadas com carinho... senão se apagam.

Lindo seu texto. Eu é que ando melancólica...

Beijo, querido.

Juliana disse...

Nossa, que conto mais lindo.

Lembrei de uma música de Pato Fu, Vagalume...

beijocas

Nana disse...

Nossa... Que LINDO!!!
Me deixou com lágrimas nos olhos!!! [Por isso odeio quando leio esses textos no trabalho... heheheh]

Gostei muito mesmo!! Parabéns ;)

Beijos

iranisson disse...

Legal, bela historia....