domingo, 16 de março de 2008

Radinho de Pilha



Ouvindo essa música que toca agora no meu radinho de pilha, descobri que a saudade é o mais bonito e o mais doído dos sentimentos. A canção me lembrou você naquela tarde de primavera quando o sol se escondia e a forma da lua já se desenhava no céu. Então você apareceu com seu vestidinho de menina e me abraçou de repente como se eu pudesse sumir a qualquer momento. Seus olhos brilhavam e eu não entendia o porquê, mas achei a coisa mais bonita do mundo. E ficou grudada no meu pescoço, roçando seus lábios no meu ouvido, inventando sons que eu traduzia pra mim como eu bem queria. Ouvi sua voz desafinadinha cantar Tom Jobim: “Chega de saudade...” e um monte de lá-lá-lá que você colocava nas partes que não sabia cantar. Tão linda você.


Sentamos no chão de gramas não tão verdes e você me contou do seu dia estranho e dos pesadelos da noite. E eu ficava olhando você, rindo como quem admira uma obra de arte. Engraçado que não havia nada de diferente, mas havia o brilho. Eu não me lembro da nossa conversa. Sei que você me disse da sua dificuldade com matemática e me jurou que seria bailarina. Eu disse que não queria me casar com uma bailarina e você ficou triste porque eu não havia entendido sua poesia.


Quando as estrelas começaram a despontar no céu azul escuro - quase negro, percebi que você havia tirado o brilho delas. E eu amei-a ainda mais pelo fato de ter estrela nos olhos. Você não era qualquer uma. Não era apenas uma menininha de vestido. Era a menina da estrela nos olhos e mais um monte de coisas que eu iria descobrir.


Você se levantou apressada e disse que tinha que ir pra casa. Ficamos rindo das folhas presas no seu vestido e que você não me deixou ajudar a tirar porque ia parecer indecoroso demais. Então você me deu um beijo de despedida que não foi tão romântico, mas me encarou com seus olhos de estrela que me arrebataram sabe-se lá para onde.


Ouvindo a música no meu radinho de pilha, só consigo me lembrar dessas coisas. Muitos detalhes foram perdidos e eu lamento não poder descrever com fidelidade os olhos seus. Mas sabe de uma coisa, bailarina? Você nem é tão desafinada assim...

19 comentários:

Mr. Ziggy disse...

Ah, meu... não tem como não se emocionar e não ser arrebatado também pra um lugar bom, sobretudo se ler um texto assim, tão singelo, ouvindo Enya. Aí é que sou arrebatado mesmo... haha!

Lipão, acho que Papai tá preparando uma metade muito especial pra vc, porque vc é um cara bacana, que sabe honrar a mulher, tratá-la com amor, como nos ensina a Bíblia. Vc saberá amá-la, respeitá-la e todas aquelas cositas que se jura no altar; tenho certeza.

No mais, quando ela aparecer, mostra esses teus textos a ela, porque ela se sentirá muito especial, por saber que há anos ela vem sendo esperada com tanto amor, tanta ternura...

Abração, cara! Irmão demás!

Alberto Vieira disse...

Cara, concordo plenamente com o Ziggy.

Seu texto é mto puro e singelo. Gostei bastante cara.

abraços

Ni disse...

Filipe...
Há tempos eu não escrevo nada, não entendo bem o que acontece e sendo assim, deixei um pouco de ler as coisas de que tanto gosto. Mas voltei pra todas elas, inclusive as coisas lindas que eu encontro por aqui, sempre.
Só quero te dizer, de todo o coração, que o que tu escreveu me fez chorar. Um chorinho calado, baixinho, um choro até feliz por saber que existe sensibilidade em um homem (o que é geralmente difícil) e por lembrar de certas coisas bonitas que me aconteceram há tempos. Aliás, "olhos estrelados" também, aqui: http://metadinha.blogspot.com/2007/09/crescentes-de-setembro.html

Hoje sou em quem agradece pelo prazer (e a maravilha) de te ler. Lindo, só posso concordar com o Renato ali em cima, mesmo.

Menina Lunar disse...

Eeei, você escreve lindo! Demais.
E lembra demais o gigante Vinicius de Moraes...
Encanta, emociona, enternece.
Eu agora levo um brilho cintilante nos olhos também, o das tuas palavras.
Beijo!!
Adoreiii vir aqui!

Bárbara Matias disse...

Teria música melhor para trazer a saudade no seu radinho de pilha? Hum.. acho que não!!!

E sabe? Nenhuma outra voz poderia soar melhor que a dessa menininha com alma de bailarina que inventa de cantar, que exibe seu olhar de estrelas... acho que é bem essa sua menina... que já te deixa saudade daquilo que vc ainda vai viver com ela!
Ah.. essa menina vai ter é muito mais estrelas nos olhos quando descobrir esse olhar que a vê como uma obra-prima, que suspira ao admirá-la. Esse ouvido que gosta da sua voz desafinadinha... e que a guarda no peito, a guarda com saudade, antes mesmo que a ouça!


Amei... amei, amei! Guarde bem junto com vc.. que vc ainda mostra pra essa sua menina!

Bjim...

Ana Cláudia Zumpano disse...

Adorei todos os detalhes... e a partir do momento que vc ia descrevendo tudo, eu ia me lembrando de como é bom a sensação de frio na barriga, do riso que sai sem perceber, das músicas que eu fico cantarolando lá lá lá... li seu texto ouvindo portishead, e a letra diz: give me a reason to love you... o amor não tem razão de ser né!
Obrigada pela visita! lindo texto... bjos ;*

Jaya disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
frambis disse...

e não é que o menino ( sim, menino) parece que esta de mão dada com a menina com uma flor ?? natural, singelo, não idealizado....exatamente o que um dia vai acontecer




"Poucos sabem, entretanto, que é a saudade
que torna encantadas as pessoas.
A saudade faz crescer o desejo.
E quando o desejo cresce, preparam-se os abraços". R.A

pois é exatamente isso.....
a saudade do que ainda não se conhece só faz depertar ainda mais
o amor.......que preparem-se os abraços....

:: Daniel :: disse...

"Saudade dá febre", já dizia Guimarãs Rosa, mas também me enobrece.

E foi assim que eu me senti, enobrecido, ao ler suas palavras. Tocantes!

Abração!

Juliana Caribé disse...

Eu li e achei lindo!
Concordo com o Ziggy em tudo. É preciso saber valorizar a pessoa ao nosso lado, seja ela homem ou mulher.

Lipe, a cada dia, seus textos me encantam mais. Parabéns, querido amigo.

Beijos.

Hélder, o míope disse...

Simples, inocente, belíssimo.

Cara, ficou muito bom!
Tu escreve muito bem!

Abração.

Nathalia Alves Vanderlei disse...

É sempre um imenso prazer ler seus textos. É, prazer, um prazer espiritual!
Parabéns Filipe!

Li disse...

eita... eu admiro tanto qm tem a habilidade de usar bem as palavras... =)

Leila Saads disse...

Música e saudade parecem uma coisa só. É sempre uma puxando a outra. Uma vez, numa matária na faculdade chamada Criatividade e Inovação, eu tive que escrever durante um minuto tudo o que viesse na minha cabeça ao ouvir uma música. E essa música me trouxe tanta coisa que um minuto foi pouco tempo pra dizer...

Dauri Batisti disse...

Tão bonito seu texto, que ate parece retirado de umas páginas de decadas passadas. Lindo.

Gabriela disse...

8~(

Camilla disse...

Esse seu texto lembrou-me eu mesma. Uma pessoa me chamava de menininha. Não a de estrelas nos olhos e alma de bailarina como a do seu conto, mas sim com sorriso nos lábios e com alma de criança. Era assim que eu era chamada.

Ahhh, não sabe as sensações e as lembranças que seu texto provocou em mim. Nostalgia!

Lindo, lindo!
Sem palavras...

Some não tá.

Banzooo disse...

"Quando as estrelas começaram a despontar no céu azul escuro - quase negro, percebi que você havia tirado o brilho delas. E eu amei-a ainda mais pelo fato de ter estrela nos olhos."

Que lindo!!

Adoro teu blog, todos os teus textos são maravilhosos, extremamente intensos e cheios de emoção! Parabéns!!

[Ana Clara]

Fernando Locke disse...

"E ficou grudada no meu pescoço, roçando seus lábios no meu ouvido, inventando sons que eu traduzia pra mim como eu bem queria"

Muito bom rapaz! fazia um bom tempo que não lia algo que me remetesse a um romance tão puro e tão intenso. Você utilizou bem da narrativa,foi bem concreto e utilzou bem dos sentimentos,duas coisas opostas q vc soube manejar. Muito bem!