sábado, 21 de agosto de 2010

O explorador de galáxias e o bolo de milho


O explorador de galáxias era um menino de cem anos. No seu planeta, a contagem do tempo se dava de trás pra frente e era como se ele tivesse dez anos terrestres. Os anos não lhe acresciam, e sim diminuíam.


O explorador de galáxias desceu na Terra com o seu foguete ultramegapotente e olhou em volta. Muita gente e um zumbido infernal de objetos que corriam muito rápido, em cima de quatro rodas. Nesse momento ele era invisível, porque no seu planeta as pessoas já tinham inventado a fórmula da invisibilidade. Ele escolhia ficar assim pra poder observar melhor.


Entrou numa livraria e devorou a gramática. Aprendeu a língua. No seu planeta, ensinavam um método instantâneo de aprendizado. Resolveu caminhar pelas ruas e achou aquela gente muito desinteressante. Encontrou uma menina escornada na janela e resolveu ficar visível para conversar com ela. Tinham a mesma idade.


- Oi. – ele disse.


- Oi. – ela respondeu. – Você é o vizinho novo?


- Não. Eu sou um explorador de galáxias. Estou de passagem. – ele explicou.


- O que é um explorador de galáxias? – a menina parecia ter se interessado.


- É um aventureiro que anda pelo espaço sideral, conhecendo toda sorte de planetas. Eu tenho um foguete ultramegapotente também.


A menina riu, desacreditada.


- Quantos anos você tem? – ela perguntou, se julgando superior a ele, por não ter uma mente tão fantasiosa.


- Eu tenho cem anos. E você?


- Você é louco. – ela riu mais uma vez. O explorador de galáxias não entendeu a resposta, mas logo ficou satisfeito com o que ela disse. – Eu tenho dez anos. Gosta de bolo de milho?


- Nunca provei.


A menina entregou um pedaço de bolo pro explorador e comeu outro pedaço. Eles riam enquanto os farelos caíam pelo canto da boca.


- É muito bom. – o explorador disse. – Acho que é a minha comida predileta.


- Onde estão seus pais? – a menina perguntou, curiosa.


- Eles estão em casa, cuidando das coisas deles. Quando as pessoas completam dez anos, sempre têm muita coisa para cuidar.


- Eu cuido de uma árvore que plantei no fundo do meu quintal. – disse a menina, se sentindo importante porque o explorador havia dito sobre as pessoas de dez anos, e ela tinha dez anos. – Você quer ver?


- Eu adoraria.


A menina saiu da janela e foi abrir a porta pro explorador de galáxias entrar. Conduziu-o para o quintal, onde estava uma muda de pé de manga.


- É uma arvorezinha. Coloquei o nome dela de Silêncio. – contou a menina.


- É um lindo nome. E veja como ela é silenciosa.


A menina riu da piada. Na verdade, não era uma piada. O explorador de galáxias lembrou de todo o zumbido provocado pelos objetos de quatro rodas, os carros. As árvores, sem dúvida, eram silenciosas.


- Eu acho que as árvores são muito interessantes. – ponderou o explorador. – Mais interessantes que essa sua gente.


- Eu também acho. – concordou a menina.


- Você tem mais daquele bolo de milho?


- Sim. Você quer mais?


- Quero. É a comida que mais gosto.


E o explorador descobriu que as árvores e o bolo de milho eram as coisas mais interessantes daquele planeta.


6 comentários:

Luciana Brito disse...

Que bonitinho!
Mas pensei que ele também fosse achar a menininha interessante...

Beijo, Lipe!

Maristela Carvalho disse...

Filipe,

Essa menininha é danada! Abriu a janela e mostrou logo de cara duas coisinhas suas, que dificilmente não encantariam... Deu até vontade de encostar a cabeça assim bem devagarzinho e aproveitar um pouco desse silêncio...Depois pediria um pedacinho do bolo de milho...hehehe
Se tivesse esse foguete, eu iria rapidinho ao encontro dessa simpatia. Entendo você, explorador, por se fazer visível... As coisas estão meio desinteressantes, é eu sei... Mas degustou os pedacinhos e quase pegou os farelinhos que eu vi... Então fica mais um pouco , e não se assuste com o barulho, já foi bem menos viu? E tínhamos árvores que quase alcançavam as estrelas. Continuam interessantes...Pode apostar que sim.
Retribua a gentileza, dê prova de coisinhas suas (Interessantes ,que eu sei...) Já estou imaginando a dupla boa que vai dar. Se ela subir nesse ultramegapotente ai, fica invisível também?

beijo.

Ana D disse...

Que viagem ! Delicada e original ! rs Beijo

Ana D disse...

e lembrou PequenoPrincipe rsrs

Amanda Oliveira disse...

Gostei, o mundo se torna muito chato para quem não o vive intensamente, o explorador estava ali para observar. E observou logo as coisas mais belas, e que se dizem tão sem graça, mas na verdade são as que mais nos fazem feliz. A sombra da árvore, um bom texto como o seu, e com certeza um bolo de milho !

Thainara disse...

olá filipe!

eu sou aluna da professora maristela,e meu nome é thainara...
a professora maristela mostrou o seus textos como o explorador de galaxias e o bolo de milho,eu gostei muito e você colocou a continuação né escritor.
tchau!