domingo, 20 de fevereiro de 2011

Descobri que te amava


Um resquício de saudade visitou meu peito tormentoso, nessa manhã. Alguns eventos viraram poeira no meu mural de memórias, outros se acenderam feito estrela reluzente no fundo escuro da noite. Gostos se dependuraram na ponta da língua que tocava o céu da boca como quem toca a boca do céu. O café posto à mesa lembrava aqueles ruídos estranhos da água fervente e do pó solúvel cheirando esperança no coador de pano. Acordar era renascer. Um pássaro pousando no fio, sem levar um choque e a borboleta que assistia as flores mimadas do jardim vizinho: cenário que fincava no canto da alma. Saudade de amar outra vez.

À noite, o travesseiro foi premiado com um sorriso sonso de alguns breves minutos, enquanto os ouvidos cuidavam de repetir baixinho suas bobeiras diárias. Descobri então que te amava. O indiscreto mexilhar dos pés descalços no lençol estampado e a música-ambiente vinda da casa do vizinho serviam de distração ao sono que demorava vir. Mais alguns minutos em pensamentos era como ter-te ao lado, tocando meus dedos e atrasando meus passos de estarem longe de você.

Qualquer dois- mais- dois era operação matemática complicada. Os sentidos pareciam ter sido embaralhados, sem qualquer marcação de naipe. Os olhos, enviesados, calculavam no relógio o tempo de você passar aqui em casa e se demorar na minha sala de estar.

Meu medo, percebo, é não poder nunca tirar o frisado do seu vestido ou amparar seus passos tortos no meio-fio, enquanto brinca de equilibrista. Meu medo, moça, é não poder te entregar nunca aquela flor plantada em rimas do nosso quintal-comum. Vai ver eu tenho muitos planos. Vai ver eu tenho uma baita sorte. Vai ver você me ama também.

14 comentários:

Gabi Pasquale disse...

Filipe,

Cada vez fico mais admirada com suas palavras. Você continua escrevendo lindamente.

Tenho planejado tantas coisas com alguém que adoro muito. E as vezes, confesso, tenho medo de que nem a metade das coisas que quero aconteçam para gente.

E sabe. Seu texto me deu esperança. Vou seguir sentindo, sem pensar!

Muito obrigada!

Maristela Carvalho disse...

Vai ver ficou tão bonito...

Beijo, Filipe.

Dalton Mesquita Filho disse...

Vai ver você tem o blog mais foda que existe... rs
Felipe eu fico aqui pensando em como você consegue descrever as coisas de modo que elas saem da tela do computador e entram em nossa cabeça como se fossem memórias da noite de ontem...
Me milésimo parabéns a você, à sua escrita e ao seu cantinho mais que especial.
Abraço

Rebeca Postigo disse...

Ah…
Quão doce e encantador…
Adorei!!!

Bjs

Ju Fuzetto disse...

Vai ver o amor é uma tela pintada em teus olhos....


Beijo Muito lindo!!

@heeldersilva disse...

Rapaz, coisa bem feita esse texto! De qualidade! De emoção!

A sutileza das descrições dos sentidos me surpreende.

Muito bom!
;D

Amanda Oliveira disse...

Vai ver dá vontade de acariciar esse texto, vontade de pegar no papel, segurar no peito e não tirar mais...]Diga-me uma coisa moço, como é a tua letra? Vai ver eu tenho curiosidade.
Filipe?

Sophia Cipriani disse...

Não precisa ter medo, porque quando o amor é puro assim, bonito assim, intenso assim o futuro só pode revelar coisas magníficas!

Adorei o texto!!
Um Beijo

Junkie Careta disse...

Vai ver quando ela ler algo assim tão delicado, sutil,(especialmente por vir de um homem)ela vai ficar tão emocionalmente movida, tão profundamente tocada que vai te dizer que vc é o cara certo para ela.
Que bom voltar a passear nesse espaço tão sereno Felipe.

Vc continua ótimo.

Eu de minha parte, venho te convidar para visitar o Spleen, depois de tanto tempo parado.Eu retorno e estou convidando os amigos para compartilhar o que talvez seja a última página do spleen-rosa-chumbo,dessa vez muito pouco rosa e muitissimo chumbo. Traga uns lenços, uma pipoca, uma vitamina k(para cicatrizar),um estojo de primeiros socorros,um estõmago forte e um coração à prova de bala.

Grande abraço

As flores e eu disse...

Lindo demais.

Hosana Heitz disse...

sou leitora e fã desse blog desde 2008. Sua maneira de escrever transcendem o que é palavra. A palavra se torna som, cor, sabor... É na verdade "Transpalavra". rs Gosto muito de vir aqui fazer uma leitura, parabens e desejo muuuita saude pra continuar a escrever! =D Sucesso sempre

Rafael Castellar das Neves disse...

Muito bom, muito bonito...você escreve muito bem e, acima de tudo, com o coração...gostei!

Aproveito para lhe convidar a participar do sorteio no meu blog Desce Mais Uma!.

[]s

gabs. disse...

Doce descoberta.

Amanda. disse...

Quee lindooo , parabéns Filipee.
Adorei ter encontrado teu blog, lindas palavras *--*